A demissão de Mandetta foi uma tragédia?

A polêmica demissão de Mandetta do ministério da saúde acompanha diversas questões delicadas. Desde a eficiência do seu plano de combate ao Coronavirus, até o desgaste de sua relação com Jair Bolsonaro, desde as pretensões políticas de Mandetta, até o futuro do ministério nas mãos do novo ministro, Nelson Teich.

Mandetta fazia uma gestão sólida a frente do ministério da saúde, seguiu fielmente as recomendações da OMS, achatou a curva de contágio, era muito bem avaliado pela população e não se intimidou com as divergências com o presidente. Entretanto, há diversas denúncias de desvio de materiais, superfaturamento e aquisições suspeitas realizadas sem licitação, a maioria ligada aos governos estaduais. Porém, segundo matéria do The Intercept, há uma investigação em andamento, referente a uma compra de máscaras superfaturadas pelo ministério da saúde frente a uma empresa de bolsonaristas.

Diversos estudos denotam subnotificação de mortes ligadas ao Covid-19 e, ademais, uma ineficiência enorme de aplicação de testes em massa – o Brasil realiza quase cinco vezes menos testes do que a Venezuela, segundo apresentado no site worldometers.info/coronavirus/ uma das maiores referências no compilado de estatísticas da pandemia. Quando analisamos o número de testes relativo à população, o Brasil aplicou quase 40 vezes menos testes, o que demonstra uma enorme ineficiência e uma clara tendência à subnotificação. É difícil analisar os números de uma gestão subnotificada.

Segundo estudo encomendado pelo UOL, o Brasil teria até a última quarta-feria (15), algo entre 3.800 e 15.600 mortes por Coronavirus, enquanto o ministério relatava, apenas, 1.736. A maioria das mortes por Covid-19 demorou mais do que 10 dias para ser notificada. Portanto, os números que glorificam a gestão de Mandetta, são, na verdade, fictícios.

O desgaste de Mandetta com Bolsonaro pode, muito bem, ser uma estratégia política do ex-ministro. Pular do barco momentos antes do pico da crise, dando a imaginar que a sua gestão era mais eficiente do que a subsequente e alavancando sua carreira política.

Mandetta é deputado federal pelo DEM do Mato Grosso do Sul e, portanto, nada parece indicar que seus atos não tinham orientação política. O DEM, fortemente representado pela figura de Rodrigo Maia, presidente da câmara e maior articulador político do congresso, é um opositor do radicalismo e do negacionismo bolsonarista. Enfrentar a ideologia seria uma estratégia eficiente para mudar a imagem política do ex-ministro.

Inclusive, para muitos, o crescimento da imagem de Mandetta foi determinante para a sua demissão. Suas atitudes, além de irem contra os dogmas do presidente, ofuscavam as atividades presidenciais.

A dicotomia entre a insensatez bolsonarista e qualquer outra posição minimamente sensata faz com que a oposição abrace qualquer migalha de raciocínio lógico, canonizando personagens, minimamente, duvidosos.

Independente de tudo isso, a decisão de trocar de ministro no meio da crise é extremamente arriscada. O ministério foi entregue nas mãos de Nelson Teich, oncologista, sem histórico político relevante, que defendeu combate de Fake News em reunião do G20 e se demonstra fiel à OMS. Mostra-se ortodoxo e sensato, não fugindo das recomendações internacionais e sem pretensão de eclipsar o presidente.

Bolsonaro não escolheria um ministro de sua orientação, seria um tiro no pé. O presidente não sabe atuar como situação política, tem a necessidade de ser oposição. O fracasso de uma política de saúde compatível com o presidente seria um tiro no pé, qualquer resultado de seu ministro que não segue suas recomendações será igualmente neutro. É uma indicação política, mas de um ministro exclusivamente técnico.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s