”Tales From The Loop”: Nova aposta da Amazon Prime trás uma abordagem honesta para ficção científica

Nada é capaz de provocar tanto êxtase quanto uma história bem contada. A ficção científica adiciona o vislumbre do desconhecido, das infinitas possibilidades e um fascínio estético ao elemento que mais cria escritores, ou contadores de histórias: o pleno exercício da criatividade. Se a escrita criativa pode trazer liberdade sem amarras, ficção científica sempre foi uma máxima dessa idéia, e por isso não surpreende que seja um gênero que sobreviva e se traduza para diferentes épocas, e as mais variadas mídias. Ela retém e renova seu público a cada projeto ao mesmo tempo que é o objeto de desejo de várias mentes criativas. Então, em tempos de briga por espaço em um mercado audiovisual televisivo cada vez mais competitivo, o gênero é uma escolha que acaba aparecendo em todo serviço lutando por uma parcela de público.

A Amazon Prime abre o terreno para o gênero em sua nova fase – onde o modo de operação é abandonar projetos menores em trocas de grandes títulos, com uma escolha arriscada. Tales From The Loop certamente recebeu o aval para produção pela associação com o nome de Matt Reeves – diretor responsável por traduzir a franquia Planeta dos Macacos para uma audiência moderna, também sendo a aposta da Warner para a renovação do Batman ano que vem. Ele aqui serve de produtor executivo. Mas, o projeto, é mais ousado do que aparenta de início, ele é baseado não em uma série de livros convencionais já bem testada no mercado editorial, e sim em um livro de arte homônimo do desenhista suíço Simon Stålenhag. O livro em si foi adaptado para um RPG [do inglês: role playing game].

Arte que dá capa ao livro de Stålenhag. Foto: Divulgação.
Imagem da série inspirada na arte acima. Foto: Divulgação.

A adaptação para o formato audiovisual conta a história de uma série de indivíduos e famílias que moram em volta do Loop, uma misteriosa máquina construída para exploração dos mistérios do universo, fazendo assim, ‘’coisas geralmente relegadas à ficção científica, possíveis.’’. Cada um dos 10 episódios focam em determinado grupo de pessoas e sua interação com alguma máquina ou elemento que circunda o Loop. As histórias são, em sua maiorias, exclusivas ao episódio mas são interdependentes entre si, já que a cidade e as famílias se cruzam pela temporada, não se tratando então de uma antologia episódica.

O grande trunfo é a simplicidade. Os acontecimentos ficcionais que empurram os episódios são geralmente escolhas óbvias do universo de ficção científica: viagem no tempo, troca de corpo. Os próprios temas escolhidos a serem desenvolvidos não são estranhos a quem já acompanhou pelo menos um programa do gênero: suficiência ou não da tecnologia, percepção da passagem do tempo. É essa escolha que trás o vislumbre. Ao se permitir ser simples e não tentar chocar, questionar e confundir o espectador a todo tempo (como pretendem outros projetos como o popular Black Mirror do inglês Charlie Brooker); Uma certa leveza conduz os episódios onde as obviedades estruturais, que inevitavelmente aparecem, estão a serviço da execução dos roteiros e da direção, como devem ser. A série quer concluir seus episódios com uma mensagem e, por mais brega que isso possa parecer hoje em dia, a tonalidade em seus melhores episódios é extremamente funcional pois parecem bem articuladas. Remete, no geral, a bons filmes da era de ouro da Pixar, onde a história é pensada quase como a estética visual em si. A clássica abertura de Up é um ótimo exemplo dessa idéia, onde a música e a sensação passada pela cena são mais essenciais do que o de fato está escrito no roteiro.

Tais filmes da Pixar e Tales From The Loop – que não por coincidência conta com um episódio dirigido por Andrew Stanton, responsável por Procurando Nemo e Wall-E – somam a simplicidade citada acima, temas universais em suas mensagens: família, velhice, pertencimento […]. Porém, em uma realidade com uma audiência bem mais treinada com construções e desconstruções de modelos narrativos simples – um panorama que nem a Pixar parece conseguir se manter em pé criticamente tão bem quanto antes – é curioso e até impressionante como Tales From The Loop se mantém equilibrado.

Jodie Foster, outra famosa presença no projeto, dirige os atores no episódio Home. Foto: Divulgação.

Quando se pensa em ficção científica na televisão, dois nomes são obrigatórios e ajudam a explicar a questão acima: Gene Roddenberry e Rod Sterling. Em seu Star Trek, Gene milagrosamente consegue trazer questões filosóficas semanais a um programa familiar que questiona seu público sem o alienar. Em seu Twilight Zone, Sterling eleva um gênero associado a crianças e desafia sua audiência a olhar além do básico. As duas obras costumam concluir seus episódios com uma mensagem, alguns mais óbvios que os outros, mas todos com um fio condutor: ficção cientifica não está tão longe de nós, e das nossas questões que nos são pertinentes. E por escolher ir ao simples, mas se manter alinhado com o pensamento anterior, é que Tales From The Loop se faz sustentável.

É verdade também que grande parte da audiência pode considerar a série estupidamente fácil como outra parte, ironicamente, pode considerar desnecessariamente complicada. Por esse motivo, a maior crítica ao episódico é não se apropriar mais dessa noção e se permitir ir além do básico. Por vezes, parece um ensaio de algo que Ted Chiang – aclamado autor do gênero escreveria e também chega a lembrar o que Damon Lindelof fez em sua série para HBO, The Leftovers, porém sem o desapego estrutural. Lembrar essas duas referências é um elogio, mas não atingir plenamente seus níveis é uma crítica. 

A série é uma carta de amor sincera para a ficção científica. Ela permite-se usar das convenções do gênero para se elevar, mas também se deixa cair quando essas mesmas convenções a prejudicam. No fim, o que mais importa, é que Tales From The Loop parte de um princípio honesto: contar boas histórias.

Todos os episódios de Tales From The Loop já estão disponíveis na Amazon Prime Brasil.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s